BLOG

Qual a diferença entre indução e dedução no método científico?

22 de Fevereiro de 2017

A ciência nada mais é do que uma forma de entender o mundo. Ela surgiu da curiosidade do homem, que desde sua origem tenta entender a si mesmo, outras formas de vida e o mundo que o cerca.

Mas como interpretar o mundo de maneira fiel à realidade? Em Biologia, existem dois tipos principais de lógicas que são utilizadas nas pesquisas: a indução e a dedução. A primeira está associada à ciência da descoberta – que consiste basicamente em descrever a natureza –, enquanto a segunda está associada à ciência baseada em hipóteses – que tem a ver com explicar a natureza.

Muitas pessoas têm dúvidas sobre as diferenças entre o raciocínio indutivo e dedutivo, bastante utilizados na ciência. Imagem: Peshkova | Shutterstock. 

Mas qual é a diferença entre estas duas lógicas que influenciam a ciência que você vivencia a cada dia?

Método indutivo ou indução

De maneira básica, a indução consiste em generalizações feitas a partir de um grande número de observações particulares.  Por exemplo:

- Cães, gatos e macacos têm coração

- Cães, gatos e macacos são mamíferos

- Conclusão: mamíferos têm coração 

Ou então:

- Flamingos, beija-flores e sabiás colocam ovos

- Flamingos, beija-flores e sabiás são aves

- Conclusão: todas as aves colocam ovos

No entanto, é preciso tomar cuidado com este tipo de raciocínio, pois ele pode levar a conclusões equivocadas mesmo que os argumentos sejam válidos. Veja o exemplo abaixo:

- Équidnas e ornitorrincos colocam ovos

- Équidnas e ornitorrincos são mamíferos

- Conclusão: todos os mamíferos colocam ovos

Neste exemplo, apesar de os argumentos serem válidos, a conclusão é falsa. Embora os ornitorrincos e équidnas coloquem sim ovos, eles são uma exceção entres os mamíferos. Por isso, é essencial que as observações sejam cuidadosas e que sejam feitas em maior número possível.

Se um cientista observar apenas ornitorrincos e équidnas e concluir que suas cacarterísticas se aplicam aos demais mamíferos ele recairá em um erro, por isso é importante que sejam feitas diversas observações. Imagens: Jonas J e Vicki Cain | Shutterstock.

Método dedutivo ou dedução

Já o método dedutivo é um tipo de raciocínio que, como o próprio nome indica, utiliza a dedução para chegar a uma conclusão. Isto é, partindo de princípios reconhecidos como verdadeiros – as chamadas premissas –, o pesquisador estabelece relações de lógica entre elas para obter uma conclusão.  

Vamos ver alguns exemplos:

- Todo mamífero tem um coração.

- Todos os cães são mamíferos.

- Conclusão: todos os cães têm coração.

ou

- Todas as aves colocam ovos

- Os pinguins são aves

- Conclusão: os pinguins colocam ovos

É muito comum definir que a dedução vai no sentido oposto da indução, do geral para o específico – como no exemplo dado acima. Mas, na verdade, além de afirmações gerais, o método dedutivo também pode usar afirmações condicionais (que expressam a ideia de condição), como no exemplo abaixo: 

- Se o sapinho Ischnocnema manezinho foi descoberto em Florianópolis, ele ocorre em Santa Catarina

- Se Ischnocnema manezinho ocorre em Santa Catarina, ele ocorre no Brasil.

- Logo, Ischnocnema manezinho ocorre no Brasil.

Na dedução, a conclusão apenas reformula a informação que já está contida nas premissas utilizadas, que são o ponto de partida do raciocínio. Assim, se as premissas são verdadeiras, a conclusão obrigatoriamente também deverá ser verdadeira. Da mesma forma, se este ponto de partida estiver errado, certamente as conclusões também estarão. Se eu partir do fato que todos os mamíferos colocam ovos – o que não é verdade – minha conclusão provavelmente será equivocada. Por isso, deve-se ter muito cuidado. 

Perceba que uma diferença entre a indução e a dedução está justamente na relação entre a conclusão e as premissas: na indução a conclusão pode ser falsa mesmo quando as premissas são verdadeiras. Já na dedução, conclusão e premissas têm uma relação direta: se uma é falsa, a outra também é. Essa relação direta é usada na ciência para testar se alguma ideia é verdadeira. A partir de uma condição X (uma hipótese geral), faz-se uma previsão de uma conclusão Y (a dedução), e esta previsão é então testada por experimentos diversos. Se Y não for verdadeira, então a hipótese geral também não é. 

Um pesquisador observa um besouro vermelho se alimentando de frutos vermelhos e formula uma hipótese: besouros vermelhos possuem essa cor porque absorvem o pigmento vermelho do fruto. Logo, se essa hipótese for verdadeira, então qualquer besouro que se alimentar desse fruto se tornará vermelho. Mas os testes feitos pelo pesquisador mostram que a conclusão é falsa: besouros verdes continuam verdes mesmo depois de se alimentar do fruto vermelho. O falseamento da conclusão indica que a hipótese é igualmente falsa. 

Ao observar um besouro vermelho alimentando-se de um fruto vermelho um pesquisador pode levantar a hipótese de que eles possuem esta coloração porque absorvem o pigmento vermelho do fruto e verificar se ela é verdadeira experimentalmente usando o raciocínio dedutivo. Imagem:  Protasov AN | Shutterstock.

Mas que tipo de abordagem a ciência mais usa? Ambas são igualmente importantes. As conclusões levantadas pela indução geralmente estimulam a busca de explicações de suas causas, que são então testadas utilizando o raciocínio dedutivo através do teste de hipóteses. 

Quando Darwin propôs a teoria da Seleção Natural, é óbvio que a suas conclusões vieram de diversas observações particulares, utilizando o método indutivo. Mas se um pesquisador quiser testar, por exemplo, se um inseto tem uma determinada cor porque sofreu ação da seleção natural, ele usará o teste de hipóteses, que é fundamentado na dedução. Outro exemplo atual que utiliza a dedução é o caso da Fosfoetanolamina: a hipótese de que ela curaria câncer foi testada e falseada. 

E aí, deu pra entender a diferença? :)


 

Quer saber como este assunto pode ser cobrado na sua prova do ENEM e demais vestibulares? Confira abaixo uma questão adaptada da prova da UPE

A validade de nossos conhecimentos é garantida pela correção do raciocínio. São dois os modos de raciocínio: o indutivo e o dedutivo. Sobre isso, assinale a alternativa correta.

a) O raciocínio indutivo é amplamente utilizado pelas ciências experimentais.

b) O raciocínio indutivo parte de uma lei universal, considerada válida para um determinado conjunto, aplicando-a aos casos particulares desse conjunto.

c) O raciocínio dedutivo parte de uma lei particular, considerada válida para um determinado conjunto, aplicando-a aos casos universais desse conjunto.

d) O raciocínio dedutivo é uma argumentação na qual, a partir de dados singulares suficientemente enumerados, inferimos uma verdade universal.

e) O raciocínio indutivo é o argumento cuja conclusão é inferida necessariamente de duas premissas.

 

Resposta: alternativa a.  no raciocínio indutivo, que é amplamente utilizado pelas ciências experimentais (ver o exemplo de Darwin dado no texto) é feita uma generalização a partir de dados particulares. 

 




Confira também

  • Os vírus são seres vivos?

    LEIA MAIS
  • Levando ferroadas para fazer Ciência

    LEIA MAIS
  • Cães usados em testes científicos pisam na grama pela primeira vez!

    LEIA MAIS
  • Procurando vida fora da Terra

    LEIA MAIS
Total time: 271.30 ms (SQL time: 0.02 ms, overhead time: 91.95 ms), SQL(s): 15 (install mode) GZIPED
INVALID HTML
CFP_HTMLTOOLS: Missing type in SCRIPT tag
CFP_HTMLTOOLS: Missing type in SCRIPT tag
CFP_HTMLTOOLS: Missing type in SCRIPT tag
CFP_HTMLTOOLS: Missing ALT in img tag: img height="1" width="1" style="display:none" src="https://www.facebook.com/tr?id=254341104760439&ev=PageView&noscript=1"
CFP_HTMLTOOLS: Missing type in SCRIPT tag
CFP_HTMLTOOLS: /head came when /link was expected
CFP_HTMLTOOLS: End of file reached while waiting 9 end tags:Array ( [0] => html [1] => head [2] => meta [3] => link [4] => link [5] => link [6] => link [7] => link [8] => link )